Domingo, 15 de Fevereiro de 2009
É TUDO UMA QUESTÃO DE DIGNIDADE

Os casos do BPN e do Freeport, já começam a me irritar e aos portugueses também, porque são tantos os factos, mas esses tipos continuam a meter a cabeça debaixo da areia, como se nada fosse com eles.

Se o Dr. Dias Loureiro e o “Eng.” Sócrates tivessem um pouco de dignidade já se tinham demitido de Conselheiro de Estado e de primeiro-ministro respectivamente.

O Dr. António Vitorino, por muitíssimo menos, demitiu-se de ministro da defesa, do governo de Guterres, até porque sabia que estava inocente e não tinha a consciência pesada.

Porque será que estes não têm a coragem de fazer o mesmo?

 



publicado por LFF às 17:20
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009
ESTA É MESMO DE PINÓCRATES

 

Cartaz da JSD irrita ministro

Ainda haverá alguém, neste pobre País, que acredite nas palavras de Sócrates ontem no Porto sobre as promessas da descida de impostos para a classe média?

Já nos enganou vezes de mais para que alguém, de bom senso, possa acreditas em mais esta fantochada.

Talvez por isso, sempre que vejo esta personagem a falar nas TVs, estou  vendo a mentira a sair nas suas palavras.

Uma coisa é certa, este tipo vai ficar, na história de triste memória, como o primeiro-ministro mais mentiroso de todos os tempos em Portugal.

Será, de certo, o seu cognome. "O MENTIROSO".

 



publicado por LFF às 13:08
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2009
JÁ NEM OS SOCIALISTAS ACREDITAM EM SÓCRATES.

Depois de algum tempo de ausência, por razões várias, nomeadamente de saúde, volto hoje novamente.

Neste momento a situação em Portugal e a descrença no primeiro-ministro é tão grave que já nem os socialistas acreditam em Sócrates.

Vejam só um artigo de Vicente Jorge Silva, conhecido socialista, até já foi deputado do PS, o que escreve e que reproduzimos conforme a sua publicação no jornal o SOL.

 

vicentejorgesilva 

 

Nem sempre o que parece, é. Mas isso não impede que, em política, o parecer se confunda com o ser, conforme já constatava um insuspeito ditador de vocação rural como Salazar, radicalmente estranho à nossa época de febril mediatização política (que, de resto, o teria deixado ensandecido). De qualquer modo, como se sabe, muitos séculos antes de Salazar já a sabedoria da antiguidade clássica decretara que à mulher de César não basta ser séria, é preciso parecê-lo. E se, no Império Romano ou no autocrático Estado Novo era assim, como poderia deixar de sê--lo (e parecê-lo), com intensidade incomparavelmente maior, nestes tempos de informação instantânea e realidade virtual?

 

 

De pouco vale revoltarmo-nos contra a injustiça das suspeições e das aparências que tomam o lugar dos factos. O universo político é perseguido desde sempre por essa maldição. Quem não quer ser, terá de cuidar não parecer. E é isto que manifestamente José Sócrates ainda não compreendeu. Só que, para ele, parecer também é ser, pelo menos sempre que lhe convém – e como é abundantemente ilustrado por uma agenda política onde a fantasia da propaganda constitui um manto diáfano para tapar a nudez da realidade. Há mais verdade e autenticidade numa frase de Obama (e vimos como ele mudou, numa semana, o paradigma da política americana) do que em todos os discursos de Sócrates.

 

A ficção não ilude apenas os incautos que se deixam sugestionar pelo efeito ‘realista’ que eventualmente produz. Poderá também apanhar nas suas malhas o próprio autor da ficção, tornando-o refém dela, uma espécie de arroseur arrosé. Assim, ele acabará por não distinguir o seu imaginário narcísico da realidade concreta que o cerca e de que também faz parte. É um clássico de tipo freudiano.

Outro clássico, este da propaganda totalitária, pretende que uma mentira repetida mil vezes acaba por ser apreendida como verdade. Mas não é preciso cair nos extremos do totalitarismo e no recurso sistemático à mentira – que aos olhos do próprio mentiroso irá também confundir-se com a verdade –, para se escapar à tentação de subordinar a acção política em democracia ao mero marketing da propaganda (onde contam todos os expedientes, incluindo a mistificação da autoria de relatórios atribuídos a instâncias internacionais, como ainda esta semana aconteceu em relação à OCDE).

Também aqui, o que parece, é. O jogo das aparências, artifícios e ilusões gera um mundo imaginário, plastificado, que ofusca a crueza do mundo real neste jardim à beira-mar – ainda há instantes um oásis de tranquilidade, reformas e progresso à margem do caos internacional. Parecer é (era) ser.

 

É sumamente irónico que José Sócrates, tendo jogado com tanta desenvoltura este jogo do parecer e do ser, se apresente hoje como uma das suas vítimas. Como se uma sinistra conspiração mediática e política tivesse sido montada maquiavelicamente contra ele, através de coisas que parecem mas não são, para assassinar-lhe o carácter.

Admitamos, pois, que, apesar das suspeitas da Polícia inglesa, não há nenhuma ilegalidade, nenhum favorecimento ilegítimo, nenhum pagamento de ‘luvas’ a políticos, mas apenas coincidências fortuitas e infelizes (familiares ou outras) no caso Freeport. Ou que o malfadado caso da licenciatura na Universidade Independente se deveu, também esse, a outras trapalhadas e acasos do destino nos quais o então estudante José Sócrates não terá tido uma intervenção decisiva (além de não poder ser acusado de nenhum acto ilícito, apesar do tratamento de favor de que aparentemente beneficiou). Ou ainda que as suas assinaturas em vários prédios construídos na Guarda na década de 80 são absolutamente autênticas e penhor de uma autoria indiscutível (pese embora a tenebrosa qualidade arquitectónica dos projectos).

O problema é que o cruzamento das coincidências através destes três casos exemplares parece demasiado excessivo para ser apenas ocasional. E lá volta o que parece, é. Mesmo excluindo decididamente qualquer suspeita de ilícito criminal, há coincidências estranhas e situações inexplicadas a mais neste emaranhado de peripécias esteticamente desagradáveis e eticamente duvidosas. Há flagrantes contradições de critérios de actuação política, questões de constitucionalidade controversa, uma insustentável ligeireza nas desculpas e nos álibis, truques e habilidades com um perfume de esperteza videirinha, malhas cozidas com fio demasiado grosso ou, então, uma argumentação tão laboriosa e mastigada que, quando porventura a bota não bate com a perdigota, é sempre salva por providenciais acidentes de memória ou outros do mesmo jaez.

 

Quase nada disto seria politicamente relevante (embora o caso Freeport o seja indiscutivelmente) se não se desse a coincidência (mais uma) de o protagonista destes affaires ser, actualmente, o primeiro-ministro de Portugal. Aí regressa a maldição do ser e do parecer e da história da mulher de César – e, com elas, poderá pôr-se o problema de Sócrates deixar de ter condições políticas para continuar à frente do PS e do Governo. Para isso, não será preciso sequer uma eventual e pouco provável acusação judicial. O que está aqui em jogo é uma questão de confiança e carácter que, apesar de todos os artifícios e artimanhas, já não é possível continuar a iludir.

O balão Sócrates corre o risco de esvaziar-se rapidamente, entre a pressão da crise interna e internacional e a queda abrupta da sua credibilidade – da confiança e do carácter indispensáveis a uma verdadeira liderança democrática.

Acontece, porém, que Sócrates criou o deserto à sua volta num PS inteiramente amorfo e submisso, enquanto não se perfilham alternativas políticas verosímeis entre as oposições. O problema Sócrates poderá converter-se, assim, e muito mais cedo do que eventualmente se poderia imaginar, num problema nacional. Só que não há ainda resposta para ele.

 



publicado por LFF às 14:34
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

...

...

ASSIM VAI O MEU PAÍS

OLHAR REALISTA SOBRE A VI...

SOCORRO SENHOR PRESIDENTE

SER LIVRE IMPLICA TER COR...

SÓ NOS AÇORES

LEI DA ROLHA "TAMBÉM" NOS...

CRÓNICAS DA MINHA TERRA

HAJA VERGONHA

arquivos

Dezembro 2013

Março 2013

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds