Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009
CRÓNICAS DA MINHA TERRA

CRÓNICAS DA MINHA TERRA 

33 ANOS DE PODER LOCAL 

Por: Lino de Freitas Fraga

Fez ontem, 07-12-09, trinta e três (33) anos que se realizaram as primeiras eleições autárquicas no nosso País.

Como tudo era diferente, nomeadamente, nos Açores. A maioria, dos candidatos, não tinham uma ideia precisa sobre o que iria encontrar nas suas autarquias, talvez por isso, não entraram no jogo das promessas fáceis e demagógicas. Apresentaram-se ao eleitorado, apenas, com as suas ideias e com os seus pontos de vista para melhorarem as condições de vida, nas suas freguesias, nos seus Concelhos e de uma forma geral das suas ilhas.

Não se ouviu um único, dos empossados, culpar os seus antecessores para justificarem a sua incapacidade ou insucessos. Todos fecharam a página do passado e começaram uma vida nova, no dia 01 de Janeiro de 1977.

A grande maioria dos eleitos encontrou, as suas autarquias, desprovidas de meios, técnicos, humanos e financeiros. Haviam Câmaras em que, a não ser administrativos, não tinham um único trabalhador, uma única obra, um único projecto e o seu orçamento, bruto, não passava de umas míseras centenas de contos que, praticamente, só dava para as despesas correntes.

Mas, as dezenas de mulheres e homens que, nos Açores, deram a cara por este projecto autárquico, não viraram as costas aos, muitos, problemas que encontraram pela frente e deram o seu melhor em defesa da melhoria das condições de vida das suas populações. Até porque, a esmagadora maioria, não estava ali para se servir, nem para defenderem o seu futuro político, mas com sentido de missão, ao serviço do bem comum, das suas terras, e, porque não dize-lo, em defesa dos ideais em que acreditavam.

Não nos podemos esquecer que, em 1976, muitas das nossas freguesias, não tinham, água potável, electricidade, médico, centros de saúde, estradas em condições, transportes e algumas ilhas, nem portos com o mínimo de condições operacionais, nem aeroportos.

Apenas um exemplo, concreto, para os mais novos, ou distraídos: A ilha do Corvo só passou a ter electricidade vinte e quatro (24) horas por dia, a 09 de Junho de 1980, ou seja, mais de dez (10) anos depois do homem ter chegado à LUA.

Elucidativo! Não é?

Não quero dizer, de forma alguma, que os autarcas eleitos, em Dezembro de 1976, fossem melhores ou piores que os eleitos posteriormente, mas sim que, o espírito de missão era diferente, até porque a maioria dos eleitos, ou os seus familiares, tinham sentido na pele o que era viver em ditadura e mais de treze (13) anos, com o País em guerra.

Realmente, como tudo era diferente no início da nossa democracia, ninguém, ou pelo menos a esmagadora maioria, foi para este projecto autárquico, com o intuito de receber um centavo que fosse.

Foram tempos, em que, muitos, pagavam para fazer politica. Hoje, muitos, fazem política para ganhar dinheiro e fazem profissão da política.

Outros tempos, outras vontades, talvez por isso, Portugal é hoje um País próspero e altamente desenvolvido.

 



publicado por LFF às 20:38
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

...

...

ASSIM VAI O MEU PAÍS

OLHAR REALISTA SOBRE A VI...

SOCORRO SENHOR PRESIDENTE

SER LIVRE IMPLICA TER COR...

SÓ NOS AÇORES

LEI DA ROLHA "TAMBÉM" NOS...

CRÓNICAS DA MINHA TERRA

HAJA VERGONHA

arquivos

Dezembro 2013

Março 2013

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds